Acessibilidade A+ A- C

DERSA em Fotos

A DERSA foi fundada em 1969, inicialmente para construir uma nova ligação entre São Paulo e a Baixada Santista. A implantação da Rodovia dos Imigrantes, que vence quase 800 metros de declive entre o planalto paulista e o litoral, marcou o início da trajetória de sucesso da Companhia, sendo comemorada como um case de vanguarda da construção civil brasileira. 

Considerando a qualidade e a segurança aplicadas ao primeiro empreendimento implantado pela DERSA, o Governo do Estado de São Paulo solicitou à Companhia a construção de uma nova ligação entre São Paulo e Campinas: a Rodovia dos Bandeirantes, que é a primeira colocada no ranking das melhores rodovias do País, segundo pesquisa Confederação Nacional de Transportes (CNT), sobre Rodovias (2015).

Com excelentes resultados, mais obras foram realizadas pela Companhia, como a Ponte do Mar Pequeno (1982), o primeiro trecho da Rodovia dos Trabalhadores – atual Ayrton Senna (1982) – a rodovia Hélio Smidt (1985) e a Rodovia Santos Dumont – Ligação Campinas Sorocaba (1985).

Em 1989, a empresa passou a construir e operar todos os terminais intermodais de carga sob jurisdição do Estado de São Paulo, além de assumir a responsabilidade pela administração do Porto de São Sebastião e pelas travessias litorâneas. Um ano depois, a DERSA construiu a Rodovia Carvalho Pinto, facilitando o acesso às cidades do litoral norte do Estado e às principais cidades do Vale do Paraíba. A inauguração da via, somada à operação da Rodovia Ayrton Senna, viabilizou o primeiro sistema totalmente implementado pela DERSA: o Sistema Ayrton Senna-Carvalho Pinto.

Coube à DERSA também a duplicação da Rodovia Dom Pedro I (1990), a implantação do Anel Viário de Campinas (2001), a Avenida Jacu Pêssego (2012), a Nova Marginal Tietê (2010), o Complexo Viário Polo Itaquera (2014), a Estrada Parque Várzea do Tietê (2011) e a duplicação do Trecho Planalto da Nova Tamoios (2014).

Em 1998, a Companhia se tornou responsável por projetar e implantar o Rodoanel Mario Covas. Com 176,5 km de extensão, a obra interligará a Região Metropolitana de São Paulo a todas as rodovias que chegam e saem da capital, para evitar que veículos em trânsito passem por dentro da área urbana. Inaugurado em 2002, o primeiro trecho, com 32 quilômetros, o Oeste, atravessa as rodovias Anhanguera, Bandeirantes, Castelo Branco, Raposo Tavares e Régis Bittencourt. O Trecho Sul, com 61,4 Km – sendo 57 km no eixo do Rodoanel e 4,4 km correspondentes ao acesso ao município de Mauá - junta-se ao trecho Oeste, inaugurado em 2010, e articula o acesso às rodovias Anchieta e Imigrantes. O único trecho não implantado pela DERSA, o Trecho Leste, em operação, tem 43 Km, com início na interligação com o Trecho Sul, na saída da Avenida Papa João XXIII, em Mauá, e termina na Rodovia Presidente Dutra (BR-116), em Arujá, interligando as Rodovias SP-66, SP-70 e BR-116. Completando o Rodoanel Mario Covas, o Trecho Norte, em construção, terá 44 km , passará por São Paulo, Arujá e Guarulhos, e traz como destaque uma ligação exclusiva ao Aeroporto Internacional de Guarulhos, com 3,6 km de extensão.

  • Rodovia dos Bandeirantes
  • Rodovia dos Bandeirantes
  • Rodovia dos Bandeirantes
  • Rodovia Ayrton Senna
  • Rodovia Ayrton Senna
  • Rodovia Ayrton Senna
  • Rodovia Dom Pedro I
  • Rodovia Dom Pedro I
  • Rodovia Hélio Smidt
  • Rodovia Dom Pedro I
  • Rodovia Dom Pedro I
  • Rodovia Carvalho Pinto
  • Rodovia Carvalho Pinto
  • Rodovia Carvalho Pinto
  • Rodovia Carvalho Pinto
  • Rodovia Carvalho Pinto
  • Rodoanel Mario Covas
  • Rodoanel Mario Covas
  • Rodoanel Mario Covas
  • Rodoanel Mario Covas
  • Rodoanel Mario Covas
  • Rodoanel Mario Covas
  • Rodoanel Mario Covas