Travessias
Acessibilidade A+ A- C

DERSA estuda nova tecnologia no apoio à operação das Travessias Litorâneas

A DERSA testou a utilização de um drone de última geração para aprimorar o monitoramento da operação nas Travessias Litorâneas

Drone com imagem de cinema digital é avaliado no Guarujá

A DERSA testou a utilização de um drone de última geração para aprimorar o monitoramento da operação nas Travessias Litorâneas do Estado de São Paulo. O teste foi realizado no Centro de Controle Operacional (CCO) das Travessias, no Guarujá, na última sexta-feira (16). Além de representantes da DERSA, membros da Guarda Portuária, da Codesp, também assistiram a demonstração.
O drone utilizado era equipado com câmera e dispositivos para fazer gravações de imagens com tecnologia 4k, utilizada em televisão e cinema digital e cuja resolução é até 16 vezes maior que a full HD. A autonomia de voo é de 22 minutos, podendo alcançar dois quilômetros de raio e quase dois quilômetros de altitude com velocidade de até 60 km/h.

A apresentação do drone foi feita por uma empresa de comunicação de Bertioga, que decolou o equipamento a partir do estaleiro da DERSA, no Guarujá, e sobrevoou os atracadouros da companhia em Santos e Guarujá, bem como os bolsões de fila nas duas cidades, transmitindo as imagens em tempo real para um controlador, localizado no ponto de decolagem.

No teste, foram feitas tomadas de imagem para avaliar a viabilidade de utilizar este tipo de equipamento para acompanhar as operações de navegação, embarque e desembarque, bem como o monitoramento das filas e das instalações físicas da Companhia. Embora preliminares, os resultados mostraram que o emprego de aeronaves não-tripuladas é promissor e deve crescer bastante em atividades portuárias e de navegação.

A DERSA têm um vasto histórico de iniciativas inovadoras voltadas à implantação e gestão de infraestrutura e transportes. Muito utilizados em produções audiovisuais, os drones já têm sido empregados também na área da engenharia, para acompanhamento de grandes obras. Esta é a primeira vez em que uma aeronave não tripulada é avaliada para o apoio de um serviço de ferry boat no Brasil.